TEU TETO É SOL meu chão de sal tua mata branca tua caatinga teu claro espanca minha restinga minha retina esferoidal tua invasão teu boreal na gota curva do teu prazer a escorrer na noite fresca da tua pele teu colo fere qualquer certeza teu corpo anula qualquer beleza tuas partes cruas essência nua posta à mesa. poesias - Michele Flores

CARSTE astro lábio que governa todo sábio à caverna da imagem do seu eu onde cai de amor por ela no profundo e se enxerga no seu ego o próprio deus e não ouve mais o Eco que ao seu lado segue cego mendigando o seu olhar e devora a própria face e deseja a própria carne e o corpo não mais cabe o torpor do desejar lábio toca o chão de água afaga a vida que apaga no toque quando se deu no fundo do carste aguado quando beija o próprio breu. morre o corpo definhado

HALO Auréola aurora áurea concêntricos círculos concentro cíclico na transparência da alma transbordo lúcido no espelho flácido mergulho límpido no universo ríspido do azulejo estático estado crítico entre a luz do bulbo e o cinza escuro do contorno espático da lente abrupta que congela explícita a verdade nua da pele marcada.

OÓLITOS seus olhos, as marcas de onda formadas no leito de areia das praias criadas no seio da ida da crista da onda na volta redonda da face espraiada do grão que indo salta e desce, e escorrega no lábio se esfrega e perde as escaras oólitos olhos grão envelopado na vista cansada olhar marejado.

© 2015 By Letícia Zica. Proudly created with Wix.com